A beleza rústica de Jericoacoara, no Ceará

Por Tereza Cidade

Contra a luz do sol, sempre muito forte, os turistas vão se enfileirando na subida da “Duna do Sol”, em busca da maior atração da pequena vila cearense, o pôr-do-sol. A subida é íngreme, mas o esforço vale a pena. O astro-rei logo se transforma numa incrível bola de fogo e se transforma no cenário ideal para jovens casais apaixonados, renovando a chama dos, digamos, mais veteranos. Máquinas fotográficas pipocam. Então, de repente, todos param. O sol vai mergulhar no mar. Aplausos. O espetáculo mágico da praia de Jericoacoara aconteceu novamente.

Os pequenos barcos de pescadores dão um toque colorido às praias

No fim da tarde, os turista sobem a duna para assistir ao show do rei Sol.

A natureza é assim na vila de Jericoacoara, mas, para chegar até lá é preciso disposição. São 300 quilômetros de Fortaleza até Jijoca e daí quase uma hora por estrada de areia, em carros com tração ou ‘jardineiras’, até o pequeno vilarejo. Mas ninguém se arrepende do esforço.

As dunas compõem o Parque Nacional de Jericoacoara, área de preservação ambiental

A Vila de Jericoacoara, ou Jeri, para os íntimos, é um lugar único. As ruas são de areia, não há iluminação pública e pouquíssimo carros circulam na área – só os que têm autorização especial. Portanto, é o local ideal para transformar em uma vaga lembrança o caos do trânsito e o corre-corre dos centros urbanos. Aliás, Jeri não combina com pressa.

Os dias serão passados em mergulhos no mar ou em uma das lagoas da região ou, para os mais esportistas, no kitesurf ou windsurf, que atrai adeptos de todos os cantos do mundo por conta dos ventos propícios à prática desses esportes.

O kitesurf é muito praticado na região por causa dos ventos fortes

Jericoacoara é considerada uma das praias mais belas do Brasil e foi escolhida pelo jornal Washington Post, em 1994, como uma das dez mais belas do mundo. De lá para cá, todo esforço tem sido feito para que o mundo fique como está nesse recanto cearense.

As praias de Jeri são paradisíacas e há espaço para todos

Nos últimos anos, a pequena vila de pescadores, que antes não  tinha nem energia residencial, se rendeu aos apelos do turismo. Hoje,  hotéis e pousadas dividem espaço com as lojinhas de artesanato e os restaurantes, que oferecem frutos do mar e pratos de diversas nacionalidades, principalmente a italiana, já que a vila atraiu muitos imigrantes daquele país.

Lagostas, camarões, lulas… os frutos do mar fresquinhos têm um sabor especial

 

Para conhecer as belezas naturais do Parque Nacional nada como fazer um passeio de Bug. Um dos roteiros vai para as lagoas Azul e Paraíso, dois ótimos lugares para ficar na água tomando uma bebida ou saboreando frutos do mar. Na volta, uma paradinha para o registro fotográfico da ‘árvore preguiça’ e visita à Pedra Furada, cartões postais de Jericoacoara.

A Lagoa Azul tem águas transparentes, excelentes para um mergulho

A lagoa Paraiso faz jus ao nome, com cadeiras e redes dentro d’água

A pedra furada é um dos cartões postais de Jericoacoara

O outro passeio é para o lado oeste do Parque Nacional de Jericoacoara. Inclui passeio opcional (pago à parte) para conhecer o mangue, formado pelo mar e o rio Guriú, e ver de perto os cavalos marinhos. Também passa por manguezais, dunas – uma curiosidade é ver as dunas de areias cristalizadas –  e termina na lagoa de Tatajuba.

Os cavalos marinhos mudam de cor para ficar camuflados nos manguezais

Tatajuba é uma pequena vila de pescadores com uma praia muito bonita

Depois dos passeios, nada como ver o pôr do sol da duna que fica em frente a Jeri. O astro rei dá seu show todos os dias para uma multidão de turistas. À noite, o programa é ir para restaurantes e bares e, para os mais animadinhos, há as casas de forró. Quem aprecia um bom vinho conta com o restaurante do hotel Mosquito Blue, que tem uma enoteca variada e mesas na praia, embaixo de coqueirais.

A subida da duna é puxada, mas o esforço vale a pena

Jericoacoara é ideal para quem busca um lugar tranquilo, longe dos centros urbanos e com a natureza em primeiro lugar.

 

Como chegar

De carro, a melhor opção é  a rodovia CE-085. A estrada tem trechos em obras, que estão sem asfalto, e é pouco sinalizada. Por isso é bom usar um GPS. A estrada leva até Jijoca de Jericoacoara, distante 23 km da praia de Jericoacoara propriamente dita. Os carros sem tração ficam nos estacionamentos de Jijoca e, a partir daí, o percurso é feito em veículos com tração nas quatro rodas, Bugs ou jardineiras, até a vila.

Antes de chegar na vila, há uma associação que oferece guias até Jeri. Funciona assim: você vai no seu carro – se for um  4×4, ótimo, mas se não for, eles secam os pneus para que o carro consiga andar na areia. O guia entra no carro e vai mostrando o caminho, que começa na praia do Preá, pela praia, até Jeri.

Outra opção é contratar um transfer – muitos hotéis oferecem esse serviço – ou ir de ônibus. O importante é chegar. Chegou? Aprecie.

Veja também

Portugal: 5 hospedagens no Alentejo para se sentir em casa O Alentejo é a mais extensa região portuguesa. Isso significa que há muita coisa para ver e experimentar, entre vinhos, paisagens bucólicas, charmosos vilarejos e praias paradisíacas. Por isso, o ideal é apreciar cada detalhe com calma, e uma boa hospedagem é essencial para ...
Terceiro cruzeiro da temporada traz mil turistas. Um até aprendeu português para conhecer a Amazônia... MS Sirena desembarca com mil turistasO luxuoso navio de turistas MS Sirena atracou no porto de Manaus, às 8h da manhã desta quinta-feira (19/10). A bordo mil passageiros de várias partes do mundo, a maioria dos Estados Unidos e do Canadá.Este é o terceiro navio da t...
Queijo Serra da Estrela: um manjar português totalmente artesanal O queijo Serra da Estrela tem uma casca de consistência mais dura e o interior é derretido e apetitoso. Fotos: DivulgaçãoAo visitar Portugal, o turista irá descobrir que as riquezas gastronômicas vão muito além do tradicional bacalhau ou do ilustre pastel de nata. Prova...
Suframa e Amazonastur discutem ações de fomento de turismo O superintendente da Suframa, Appio Tolentino, e o presidente da Amazonastur, Orsine Oliveira Junior, se reuniram na segunda-feira. Foto: Enock Nascimento/Suframa A realização da Feira Manaus de Duas Rodas, a criação de um museu da história da Zona Franca de Manaus (ZFM) e...
Manauaras descobrem cachoeira com piscinas naturais nas matas de Presidente Figueiredo Muitas pessoas enfrentam as dificuldades do caminho para aproveitar as piscinas naturais.É só na vazante dos rios que elas se revelam, mas a beleza natural é ímpar. São cerca de 10 piscinas naturais, cravadas em uma área rochosa da Cachoeira do Mutum, no km 54 da estrad...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *