Quatro funcionários da PF presos por corrupção. Autoridades municipais e estaduais serão investigadas

A Operação Udyat (“olhos de Hórus”, no Egito antigo, significando proteção, coragem e poder) da Polícia Federal prendeu hoje quatro servidores da instituição, um do setor administrativo e três policiais. Eles são acusados de envolvimento com autoridades municipais e estaduais para a prática de extorsão, advocacia administrativa, uso de documentos falsos, crimes ambientais, violação de sigilo funcional e corrupção ativa e passiva. “Faziam de tudo para ganhar dinheiro”, disse o superintendente da PF no Amazonas, delegado Sérgio Fontes.

A operação deu cumprimento a seis mandados de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, seis de condução coercitiva, 15 de busca e apreensão e dois de afastamento de função pública. O inquérito policial que investiga os crimes começou em agosto de 2011, sob segredo de justiça. Os mandados foram cumpridos nos Estados do Amazonas e  São Paulo por mais de 100 policiais federais.

O nome Udyat foi escolhido porque “no trabalho investigativo desenvolvido, tal símbolo está atrelado à proteção da sociedade, da Polícia Federal e de seus servidores contra desvio de condutas de outros servidores do próprio órgão”, diz nota da superintendência da PF-AM.

“O envolvimento desses policiais, que são o epicentro de toda a operação, com autoridades municipais e estaduais está sendo investigado. A operação continua. Isso vai andar”, avisa Sérgio Fontes. Por força de uma portaria do ex-diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, os nomes dos envolvidos não podem ser publicados.

O blog apurou que o funcionário administrativo se chama Mário, trabalha no setor de químicos, desviava esses produtos e está sendo investigado até por possível envolvimento com o tráfico de drogas. Outro dos presos, Yuri, era segurança, com salário de R$ 1 mil, mas dirigia uma caminhonete L200 e uma BMW. Os dois carros, que estavam na garagem da casa dele, foram apreendidos na operação.

Os três policiais foram convocados com urgência para participar da operação e no meio dela receberam voz de prisão. Eles e o funcionário do setor administrativo foram recolhidos ao Batalhão de Policia Especial (BPE), da Polícia Militar. “Todas as empresas que foram favorecidas por eles serão refiscalizadas”, conclui Sérgio Fontes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *