Quinta-feira, 26 de abril de 2018

O impeachment com Lindberg ‘Cara-Pintada’ contra e Collor a favor, Braga, Vanessa, Omar e Temer

dilma-temer

Temer chegou a ser nomeado principal articulador político de Dilma, mas acabou sendo desautorizado pela prática

A sessão do Senado Federal que admitiu o impeachment e, consequentemente, o afastamento da presidente Dilma Rousseff, foi um momento cheio de curiosidades. A primeira e mais gritante foi a militância barulhenta do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e a discreta manifestação do também impedido ex-presidente e atual senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL). Lindbergh apareceu para o País, em 1992, como o cara-pintada mor, à frente das virulentas manifestações que levaram o então presidente Collor à renúncia.

Agora, com o feitiço virando contra o feiticeiro, o ex-cara-pintada bradou, repetidas vezes: “Impeachment sem crime é golpe”. Collor, com a única evidência de que havia presenteado um Fiat Elba à secretária e inocentado pela Justiça a seguir, foi apeado da Presidência da República.

Em seu discurso, para um plenário atento e silencioso, Collor disse que “chegamos ao ápice de todas as crises, às ruínas de um governo, às ruínas de um País”. E votou a favor da saída de Dilma. Ele leu trechos do livro que Marco Antônio Vila vai lançar sobre a vida dele.

Lindbergh e Collor estiveram, até então, no mesmo barco de defesa do Governo Dilma.

E os nossos senadores?

O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) calculou mal a visibilidade que seu pedido de licença de saúde teria. Apenas ele e Jader Barbalho (PMDB-PA) lançaram mão desse artifício para não votar a admissibilidade do impeachment. Ambos foram cirúrgicos, ao pedir apenas 30 dias de afastamento, quando o regimento interno do Senado só admite posse de suplente com períodos superiores a 120 dias. A senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), que sofreu um AVC dias antes da sessão, compareceu à Casa, mas fez um voto em separado, por escrito, e não foi contada entre os 78 dos 81 senadores presentes. Ninguém se absteve. Nenhum voto em branco foi registrado. O único que não votou, por força regimental, foi o presidente Renan Calheiros.

Braga quis escapar do fogo cruzado da patrulha de seu partido, Michel Temer à frente, e do dever de lealdade com Lula e Dilma. Pegou mal. Ficou fora do novo ministério anunciado nesta quinta (12/05).

Omar Aziz (PSD-AM) aproveitou o discurso para elogiar Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), por defender Dilma com unhas e dentes, e dar uma estocada em Braga. “Não concordo com sua posição, mas a senhora teve coragem de vir aqui defendê-la. Não se acovardou”, disse.

Vanessa cumpriu seu papel. O PCdoB jamais teve votos para obter o que obteve dos governos Lula-Dilma. Ocupou o Ministério do Esporte e, usando-o como instrumento, a maioria das secretarias estaduais de Esporte. Tem hoje o Ministério da Defesa, o comando das Forças Armadas, com Aldo Rebêlo. O próprio Eron Bezerra, marido de Vanessa, demitido do Governo do Amazonas, com a vitória de José Melo sobre Braga, virou secretário nacional de Ciência e Tecnologia. É, hoje, o partido com o maior número de filiados no Amazonas. Como não defender uma boquinha, um bocão!, dessas?

Michel Temer, finalmente, chega à Presidência. Ainda é interino, mas sabe que depende dele – com uma boa pitada de atenção do TSE – e de uma gestão que traga esperança ao povo brasileiro, a efetivação no cargo.

Dilma, na saída, fez mais um discurso daqueles. Disse que “o sem voto (Temer) não terá condições de fazer frente às reformas necessárias para tirar a economia brasileira da crise”. E ela? Porque deixou o País mergulhar na crise? Nada a ver. Parece mais deslavada torcida pelo quanto pior melhor.

O “sem voto” Itamar Franco, que substituiu Collor após o impeachment, criou as condições para que seu ministro da Economia, Fernando Henrique, juntasse a equipe responsável pela implantação do Real – a cama na qual o PT deitou durante 13 anos.

O cenário, enfim, mudou. O protagonista, porém, é, no mínimo, temerário. O Amazonas não pode esquecer a dependência da Zona Franca e que os acordos de Temer são com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), inimiga histórica do modelo. A bela retórica do discurso de estreia, com frases completas – estava fazendo falta num discurso presidencial – não pode tirar, nem mesmo diminuir, o senso amazonense de vigilância.

A esperança tem que ser construída no dia-a-dia. Ou funcionará como um copo d’água servido a afogado.

Veja também

Escritório de Giuliani nega contrato com o Governo do Amazonas, em resposta a Serafim Corrêa Em resposta à consulta feita por Serafim, a assessoria do escritório informou que ainda não há contrato, só um termo de intenção. A assessoria do escritório “Giuliani Security & Safety”, de Rudolph Giuliani, informou ao deputado Serafim Corrêa (PSB), na manhã desta q...
Prefeitura leva ação social para mulheres em condição de rua Os itens que irão compor os kits de higiene pessoal que serão doados às mulheres em condição de rua foram arrecadados pelos servidores municipais. Foto: Karla Vieira/Manaus Solidária Mais de 100 mulheres em condição de rua receberão uma programação especial e totalme...
CGL/AM lança edital de licitação para o sistema viário de Tefé A recuperação do sistema viário de Tefé está orçada em R$ 9.936.668,17. Foto: Divulgação A Comissão Geral de Licitação do Estado do Amazonas (CGL/AM) vai lançar, nesta sexta-feira (27/04), o edital que visa contratar uma empresa para revitalizar o sistema viário do municíp...
Arthur Lins assume Casa Civil do Estado, após acidente com José Pacífico Arthur Lins assume Casa Civil do Estado, no lugar de José Pacífico, após acidente que deixará ex-titular em recuperação por até três meses O advogado Arthur César Zahluth Lins foi nomeado nesta quinta (25/04) para chefia da Casa Civil do Governo do Amazonas. O cargo já f...
Amazonino afirma que professores de escolas estaduais ganham mais que os da UEA. Veja o balanço dos ... O governador Amazonino Mendes fez balanço de seis meses de gestão ao lado de secretários do Estado. Foto: PMS O governador Amazonino Mendes reuniu a imprensa, na manhã desta quinta-feira (25), na sede do Governo, para prestar contas dos seus seis meses de gestão. A co...

3 comentários para “O impeachment com Lindberg ‘Cara-Pintada’ contra e Collor a favor, Braga, Vanessa, Omar e Temer

  1. Augusto da Costa disse:

    Sobre o temor do conglomerado de empresas de SP (Fiesp), tendo como patrocinador o Skaf….Não resta dúvida que nós amazonenses seremos massacrados, assim como já estão sendo a cultura, as mulheres,negros e outras representatividades, nesse governo que se assemelha a época da ditadura.
    Para mim não tem nenhuma surpresa, tendo apoio de alas mais conservadora desta sociedade como bancada da bala, ruralistas e evangélicos (evangélico não é mesmo que protestante, é pior), poderia se esperar o quê? Agora é só aplaudir os investigados na Lava Jato (ministros) Gedel, Eduardo Alves e Jucá.

  2. Maria Mirtes Martins Cohen disse:

    Marcos, o nosso sistema de governo é presidencialista. Pelas regras constitucionais não se pode tirar do poder um governante pelo voto de desconfiança. Tu és golpista?

  3. Nati disse:

    Ninguém fala que Collor sambou na cara da Fiesp e dos poderosos. Bicho teve mais peito que a esquerda. Talvez fosse louco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *