O incrível mundo dos senadores e o amazonense ‘queimado’ que virou ministro de Michel Temer por algumas horas

renan-braga

Braga (esquerda) era ministro por indicação de Renan Calheiros até horas antes do anúncio do ministério de Michel Temer

O clima entre senadores que defendem posições antagônicas, às vezes de forma ríspida e irritados, fica irrespirável, tornando a convivência impossível. Certo? O leitor da coluna vai conhecer melhor como é o clima na mais alta casa parlamentar do País. O senador Eduardo Braga, ao pedir licença de saúde por 30 dias, impedindo que qualquer suplente assumisse a vaga – o que só se dá em licenças de 120 dias – não votou com Dilma, como era de se esperar, nem com Michel Temer. Ficou queimado com os dois. Certo? Na véspera da votação da admissibilidade do impeachment, no Senado, Braga recebeu para jantar os senadores peemedebistas Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Eunício Oliveira (CE). A nata da República parlamentar. Os três ligaram para Michel Temer e saíram de lá com o martelo batido: o senador amazonense seria ministro da Integração Regional.

 

Pesadelo na madrugada

Por volta de 23h30, já com a sessão de votação correndo, o deputado federal Pauderney Avelino (AM), líder do DEM e um dos mais expostos na defesa da saída de Dilma na Câmara, soube da nomeação e ligou para Michel Temer. “Eu me mato trabalhando e esse cara tira o corpo fora para virar ministro? Não aceito isso”. O vice-presidente teria explicado que o pedido havia sido de Renan. Pauderney partiu para o Senado, contou a história para Omar Aziz e os dois foram até o presidente do Senado. Viraram o jogo. Braga perdeu a vaga na Esplanada dos Ministérios.

 

Galinha dos ovos de ouro

O Ministério da Integração Regional é responsável pelas verbas dos sonhos dos Municípios. Braga viraria, como ministro, o alvo do beija-mão dos prefeitos do interior amazonense.

 

Vanessa Grazziotin

Os 81 senadores se cruzam o tempo todo e, mais cedo ou mais tarde, um precisa do outro. Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), portadora da decisão de Waldir Maranhão (PP-MA), anulando o impeachment na Câmara, “peitou” Renan Calheiros. “O senhor não vai aceitar a decisão de anular o impeachment?”, indagou, indignada. E ele: “Não. O próximo orador inscrito é…”. A vida virou um panavueiro entre eles? Nada. Na votação da admissibilidade, lá pela madrugada, ela sentou sorridente ao lado de Renan na mesa. Ele até deu uma meia gargalhada. Excelência não é apenas pronome de tratamento no Senado. Parece dizer respeito ao humor dos senadores também.

 

Verba

Até esta terça (17/05), o governador José Melo não olhou nos olhos dos presidentes dos bumbás Caprichoso e Garantido e revelou de que tamanho será o corte nas verbas do Festival Folclórico deste ano. Até nomeou a comissão da festa, formada pelos secretários Robério Braga (Cultura) e Sérgio Fontes (Segurança), coronel Dan Câmara (suplente da Segurança), Sinatra de Jesus dos Santos (pela Prefeitura de Parintins), Leopoldo de Mendonça de Souza (Garantido) e Juarez Lima (Caprichoso). Se deixar para a última hora vai fazer um angu de caroço.

 

Apresentadores

Mais uma dança de apresentadores no Caprichoso. Sai Ornello Reis, que alegou uma inflamação nos pulmões, e entra Fabiano Neves.

 

Política bovina

Ornello mal se despediu do item e postou foto ao lado de Márcia Baranda, ex-presidente do Caprichoso e candidata a prefeita. Queria contrariar o presidente atual, Joilto Azedo, e parece que conseguiu. A sucessão no azul e branco ocorre em setembro deste ano, mas já está fervendo.

 

Rogélio Casado

A súbita morte do ativista político-social, professor e psiquiatra Rogélio Casado, nesta terça (17/05), trouxe de volta a expressão “luta antimanicomial”. Ele foi um dos pioneiros no País, na batalha pelo fechamento dos manicômios (hospícios) e o tratamento ambulatorial dos doentes mentais.

 

Como era

O manicômio mais conhecido do Amazonas foi o Eduardo Ribeiro. Quem apresentasse problemas mentais era levado ao hospital e lá acorrentado, submetido a choques elétricos, sofria todo tipo de violência e até era alvo de experiências macabras. Quem entrava, dificilmente saía e muitos viravam perambulantes, abandonados pela família, largados ao léu pelo sistema. A militância de Rogélio Casado foi parte fundamental do combate a tudo isso. Que descanse em paz.

 

Perambulantes

Por que ainda hoje há loucos perambulando pelas ruas? Porque o sistema de atendimento social, que existe para casos como esses, não funciona, finge não ver, fecha os olhos diante da situação deles. Há muitos “gente boa”, da alta, circulando na sociedade, que perambulariam também, caso não tomassem os medicamentos que tomam. São caros. Mas estão disponíveis no SUS.

Veja também

Ortopedistas confirmam enfrentamento e anunciam ações em hospitais a partir deste sábado (25/11) Rafael Benoliel, presidente do ITO-AM, levanta troféu durante recente congresso da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) em Manaus. Entre ele e o médico Francisco Brandão, o presidente da SBOT-AM, Paulo Su. Ortopedistas querem "resgatar dignidade"Os o...
Amazonino efetiva Paula Kanzler no comando da Secretaria de Estado de Política Fundiária Paula Kanzler assume a pasta antes ocupada por Diego Afonso. Foto: ReproduçãoFoi publicada no Diário Oficial do Amazonas, edição de 17/11, a nomeação de Paula Andrea Kanzler Soares como titular da Secretaria de Estado de Política Fundiária (SPF). O Portal do Marcos Sant...
Governo fecha acordo com 17 cooperativas médicas, isola ITO-AM e médicos alfinetam gestão David Alme... Médicos e enfermeiros aceitaram parcelamento dos salários, que estão atrasados entre um e cinco mesesO Governo do Amazonas, em reunião realizada na tarde desta sexta (24/11), firmou acordo salarial com 17 cooperativas médicas. Vai pagar outubro, "o mês da atual gestão",...
Marinha chega ao naufrágio do barco Tanaka e constata que há dois desaparecidos. Buscas começam O barco Tanaka Neto IV virou com 102 passageiros a bordo. Fotos: Divulgação CMA A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 9° Distrito Naval, informa que dois passageiros que estavam no barco Tanaka Neto IV estão desaparecidos. A embarcação virou  na manhã desta sex...
Barco adernou após bater em pedra com 102 passageiros a bordo Barco adernou, após sair de São Gabriel da CachoeiraAo deixar São Gabriel da Cachoeira, a embarcação Tanaka IV bateu em uma pedra e virou. O Município fica a 856 quilômetros de Manaus. O barco adernou quando estava a caminho da capital, na manhã desta sexta-feira (24/11...

Um comentário para “O incrível mundo dos senadores e o amazonense ‘queimado’ que virou ministro de Michel Temer por algumas horas

  1. Aliel Amil disse:

    É a primeira vez que leio seu portal. Gostei!
    Estava em busca de melhores informações sobre o destino da saúde no Amazonas e achei aqui.
    Sabemos bem quem sairá mais prejudicado nessa guerra “não tão fria” entre o Governo e a Prefeitura, mas somos vítimas de nossas escolhas…o que dizer? Não tínhamos escolha.
    Será que teremos (escolha) nas próximas eleições?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook