Verdade sobre prisão de primo de Omar e irmã de Nejmi na Operação Maus Caminhos. E como foi preso o filho de Zé Roberto, da FDN

centro-ismael-abdel-aziz

Centro Ismael Aziz é uma das quatro unidades geridas pelo Instituto Novos (ou maus) Caminhos. Foto: José Rodrigues

O empresário Mouhamad Moustafa, preso pela Polícia Federal na Operação Maus Caminhos, não é primo do ex-governador e senador Omar Aziz. Da mesma forma, a irmã da ex-primeira dama Nejmi Aziz, esposa de Omar, não foi presa na ação. O contrato investigado, ao mesmo tempo, foi firmado durante a gestão estadual atual, do governador José Melo. Esses dados, repassados por uma fonte do portal, não puderam ser confirmados pela Polícia Federal na coletiva de imprensa, nesta terça (20/09), por obediência a portaria da diretoria-geral da instituição, proibindo divulgação de nomes de envolvidos em investigações.

 

Mouhamad Moustafa

O nome de Mouhamad Moustafa, que mora no condomínio de luxo Ephigenio Sales, foi citado em nota distribuída pelo Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU), nesta terça (20/09), logo cedo.

 

Escândalo

É escandaloso que, para gerir quatro unidades estaduais de saúde, o Instituto Novos Caminhos (INC) tenha recebido R$ 220 milhões em dois anos. São a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales, em Manaus, o Centro de Reabilitação em Dependência Química Ismael Abdel Aziz, em Rio Preto da Eva, e a Maternidade Enfermeira Celina Villacrez Ruiz, além da Unidade de Pronto-Atendimento 24 horas, em Tabatinga (AM).

 

‘Laranja’

Mouhamad Moustafa é acusado na operação de firmar convênios com as empresas Salvare Serviços Médicos Ltda, Sociedade Integrada Médica do Amazonas Ltda (Simea) e Total Saúde Serviços Médicos e Enfermagem Ltda para fugir da livre concorrência, isto é, para contratar sem licitação. Vem mais prisões por aí.

 

Prisão cinematográfica

luciano-zeroberto

Luciano estava jogando futebol, em campo cercado de seguranças, quando foi surpreendido e preso

A Polícia Civil usou de ardis dignos de filme de Hollywood para prender o filho do traficante Zé Roberto da Compensa, Luciano da Silva Barbosa. O “herdeiro do tráfico”, como é conhecido, é amante do futebol. Estava num campo da Compensa, na arquibancada, quando um policial disfarçado de picolezeiro, maltrapilho, se aproximou. Quando os seguranças (havia vários) perceberam e tentaram sacar as armas, o policial tirou uma escopeta do carrinho de picolé e imobilizou todos. Foi quando o resto da força envolvida entrou em ação. Ninguém mais foi preso. Só ele. Ação cirúrgica.

 

Prisão cinematográfica (2)

Pode ter parecido simples e, sem dúvida, foi eficiente. Mas a prisão do “herdeiro do tráfico” foi trabalhosa. Envolveu os departamentos de Investigação sobre Narcóticos (Denarc) e de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), além da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) e o Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera). A prisão ocorreu dia 15/09/2016, mas estava decretada desde novembro/2015, quando ocorreu a “Operação La Marulla”. Mais um duro golpe no crime organizado sob comando da Família do Norte (FDN).

 

Pesca esportiva

Dia 7 de outubro, às 10h, a Assembleia Legislativa recebe audiência pública “Política Pública de Estímulo à Pesca Esportiva no Estado do Amazonas”. Não era sem tempo. A atividade domina os rios da região e chega de o Governo do Estado fingir que não existe.

 

Pesca esportiva (2)

A Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror), que tem uma Secretaria-Adjunta de Pesca, tem dito aos representantes do setor que sozinha não consegue fazer muita coisa. É preciso criar infraestrutura, como o asfaltamento de ramais, para que o Estado cobre impostos e dê a justa contrapartida.

 

Pesca esportiva (3)

Milhares de pescadores chegam ao Amazonas, vindos de outros Estados e até de outros países, investindo somas consideráveis para se embrenhar nos rios e pescar os tucunarés. Só o Governo do Amazonas não vê.

 

Óbidos traz Waldo César para Troféu Pauxi

Uma das maiores colônias do Amazonas, a do Município de Óbidos (PA), anuncia a atração para o baile da 12ª edição do Troféu Índio Pauxi. Será Waldo César, o “cantor que acelera os corações apaixonados”, um dos maiores ídolos da cidade paraense. O evento está marcado para 24 de setembro, em Manaus, no Club Fazendário, às 21h. A promoção é da Associação dos Obidenses Residentes em Manaus (Adorm).

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook