Contrato com Umanizzare no Compaj está vencido e governador pede força federal para segurança nos presídios

rebeliao-incendio

O número de mortos na tarde do dia 01/01 só é superado, na história penitenciária nacional, pelos 111 do Carandiru, em São Paulo

O Governo do Amazonas pediu ao Ministério da Justiça que envie ao Estado, para conter a crise no sistema penitenciário, agentes da Força Integrada de Atuação no Sistema Penitenciário, que pertence ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen). O contrato com a empresa Umanizzare, terceirizada para administrar o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), principal foco dos problemas, terminou no dia 1º de dezembro do ano passado.

A crise começou com 60 assassinatos cruéis e centenas de fugitivos, dia 01/01, numa guerra entre as facções criminosas Família do Norte (FDN) e Primeiro Comando da Capital (PCC). Desdobramento em toda a região, prometido em carta atribuída ao PCC, teria sido responsável pela rebelião com 30 mortes em penitenciária de Boa Vista (RR), ontem (06/01).

A Umanizzare, porém, emitiu nota explicando suas atribuições no contrato com o Governo do Amazonas, negando responsabilidade pela segurança nos presídios. O governador José Melo, num primeiro momento, recusou ajuda policial federal para o Estado. Ele havia anunciado o uso da Polícia Militar dentro dos presídios, mas, documento elaborado pelos 12 membros do Ministério Público Estadual do Amazonas (MPE-AM), integrantes do Grupo de Enfrentamento da Crise do Sistema Prisional, o informou de que esse recurso foi considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O grupo do MPE-AM é coordenado pelo procurador de Justiça e corregedor da instituição, José Roque Marques. Os 12 consolidaram sugestões, em reunião de trabalho que encerrou por volta de meia-noite de hoje (07/01). Clique aqui para ler, na íntegra, o documento do MPE-AM ao governador José Melo, inteiramente acatado e com várias medidas já em andamento:

Veja também

Armas, drogas e celulares apreendidos durante revista na Unidade Prisional do Puraquequara Uma pistola calibre 380 com munição, drogas e até joias de alto valor foram encontradas nas celas da UPP. Fotos: Bruno Zanardo/Secom.Uma revista de surpresa na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), realizada pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (S...
Secretário admite falhas no sistema penitenciário, mas revela que Governo Federal integra Comitê de ... O secretário Sérgio Fontes disse que está apurando a responsabilidade pelas falhas na segurança do Compaj. Foto: ArquivoEm resposta às declarações do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o secretário de Segurança Pública, Sérgio Fontes, admitiu nesta quarta-feira q...
Presos recapturados sobe para 63. Vidal Pessoa abriga 279 internos  Representantes dos órgãos do Sistema de Segurança Pública e de Administração Penitenciária apresentaram balanço atualizado da situação em Manaus. Foto: Vitor Souza/Secom.Até a tarde desta quarta-feira (04/01) já foram registradas 63 recapturas de foragidos das...
MPC quer apuração dos contratos de gestão das unidades prisionais do Estado Antes da rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), a maior da história do sistema prisional do Estado que resultou na morte de 60 presidiários, o Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC-AM) pediu celeridade na apuração dos contratos de gestão das unidad...
Balanço da SSP aponta 144 foragidos do Ipat e Compaj e 40 recapturados O secretário de Segurança, Sérgio Fontes, deu coletiva para a imprensa nesta segunda-feira. Foto: DivulgaçãoUm total de 144 detentos das unidades prisionais do Estado ainda estão foragidos. Até as 17h desta segunda-feira (02/01), dos 184 presos que conseguiram fugir, ap...

Um comentário para “Contrato com Umanizzare no Compaj está vencido e governador pede força federal para segurança nos presídios

  1. Eudos disse:

    Olá Marcos e leitores!
    Que triste início de ano para o nosso querido Amazonas e Brasil. A coisa parece que tá mesmo solta. Além da crise agora essa onda de selvageria. Por falar em crise, esse troço além das mortes está revelando muitas coisas que estavam escondidas. Já levou também empregos de figurões e, agora que parece pode consumir os dos agentes penitenciário. Isto tudo sem falar nas inúmeras movimentações das autoridades responsáveis do Brasil e até e exterior. E o que dizer das atrapalhadas, das declarações que custaram o empregos de muitos. (Ah isso ainda vai dar muito pano pra manga! Até lá pelos tantos anos vai se ouvir muito sobre isso, quem viver até lá vai comprovar o que estou falando. E o que dizer das redes sociais? Das verdades nuas e cruas que se publicam ali? E também das mentiras escabrosas que circulam nesses espaços enganando trouxas? E os desdobramentos políticos, administrativos, jurídicos que isso tudo produzira só Deus sabe onde tudo isso vai dar. Até outro dia amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook