Defensoria Pública vai cadastrar famílias de presos mortos durante rebelião em presídios

 

iml-familias-mortos-na-rebeliao

Os familiares dos presos mortos devem procurar a unidade da DPE-AM que fica na rua 24 de maio, no Centro. Foto: Arquivo

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) vai realizar, nos dias 20 e 21 de janeiro de 2017, o cadastro das famílias dos detentos assassinados nos presídios de Manaus neste mês para iniciar a análise do processo de indenização. Os atendimentos serão feitos na unidade da DPE-AM que fica na rua 24 de maio, no Centro da cidade, entre 8h e 14h.

Os documentos necessários ao cadastro estão disponíveis no site da DPE-AM (www.defensoria.am.def.br). A crise no sistema carcerário do Amazonas resultou em 64 mortes desde o primeiro dia do ano. No Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) foram 56 mortos; na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) outras quatro mortes; e na Raimundo Vidal Pessoal, mais quatro assassinatos no último domingo, 8 de janeiro.

O defensor público da 1ª Defensoria Especializada de Atendimento de Interesses Coletivos da DPE-AM, Carlos Alberto de Souza Almeida Filho, afirmou que as indenizações são devidas em função da tutela que o Estado tem sobre a guarda dos detentos.

Carlos Almeida Filho afirmou que a indenização para os familiares dos presos defendida pela DPE-AM está prevista nos incisos III, XLVI e XLVII do artigo 5º da Constituição Federal. O inciso XLVI regula os tipos de pena que devem ser submetidos os detentos no Brasil, entre as quais a privação ou restrição da liberdade. O inciso XLVII indica que não haverá penas de morte e nem cruéis. O inciso III prevê que ninguém deve ser submetido a tratamento degradante e tortura.

“No Brasil, a Constituição define que o único direito que é retirado do preso é a liberdade. Não se perde direito à vida e nem à dignidade. O preso, fisicamente, deveria sair da mesma forma que entrou. Lesão como ocorreu em Manaus se constitui numa grave violação aos direitos humanos”, declarou.

Carlos Almeida Filho informou que a Defensoria Pública já se reuniu com o Governo do Amazonas, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), para tratar do processo de indenização. Disse, também, que a forma de pagamento e valores ainda são objetos de estudo. ”Essas indenizações vão seguir os padrões observados nos tribunais superiores, onde há precedentes para esse tipo. A Defensoria Pública ainda está fechando com a PGE a forma como isso vai ocorrer. Ou um termo de acordo ou um termo de ajustamento de conduta para estabelecer a procedimentalização”, disse.

O defensor público indicou que a indenização poderá ser concedida de uma só vez ou com um valor menor por meio de pensão. “Cada caso é um caso. Se o valor for x e se for só um dependente, ele receberá x. Se deixou vários dependentes esse x será dividido por todos”, frisou.

Veja também

Ortopedistas confirmam enfrentamento e anunciam ações em hospitais a partir deste sábado (25/11) Rafael Benoliel, presidente do ITO-AM, levanta troféu durante recente congresso da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) em Manaus. Entre ele e o médico Francisco Brandão, o presidente da SBOT-AM, Paulo Su. Ortopedistas querem "resgatar dignidade"Os o...
Amazonino efetiva Paula Kanzler no comando da Secretaria de Estado de Política Fundiária Paula Kanzler assume a pasta antes ocupada por Diego Afonso. Foto: ReproduçãoFoi publicada no Diário Oficial do Amazonas, edição de 17/11, a nomeação de Paula Andrea Kanzler Soares como titular da Secretaria de Estado de Política Fundiária (SPF). O Portal do Marcos Sant...
Governo fecha acordo com 17 cooperativas médicas, isola ITO-AM e médicos alfinetam gestão David Alme... Médicos e enfermeiros aceitaram parcelamento dos salários, que estão atrasados entre um e cinco mesesO Governo do Amazonas, em reunião realizada na tarde desta sexta (24/11), firmou acordo salarial com 17 cooperativas médicas. Vai pagar outubro, "o mês da atual gestão",...
Marinha chega ao naufrágio do barco Tanaka e constata que há dois desaparecidos. Buscas começam O barco Tanaka Neto IV virou com 102 passageiros a bordo. Fotos: Divulgação CMA A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 9° Distrito Naval, informa que dois passageiros que estavam no barco Tanaka Neto IV estão desaparecidos. A embarcação virou  na manhã desta sex...
Barco adernou após bater em pedra com 102 passageiros a bordo Barco adernou, após sair de São Gabriel da CachoeiraAo deixar São Gabriel da Cachoeira, a embarcação Tanaka IV bateu em uma pedra e virou. O Município fica a 856 quilômetros de Manaus. O barco adernou quando estava a caminho da capital, na manhã desta sexta-feira (24/11...

Um comentário para “Defensoria Pública vai cadastrar famílias de presos mortos durante rebelião em presídios

  1. NORA NEY disse:

    Será que na constituição não tem nem um artigo ou lei que também, sejam vitimas desses bandidos para serem indenizados?
    Minha indignação é pelo fato que todos nós de alguma forma fomos lesados , roubam nossos bem, crianças vitimas de estupros ou outras formas, só que não tem se quer reparo, os valores estão totalmente invertidos,sei que o Estado tem que zelar pela integridade física e moral dos preso e nossa integridade física como fica falhou e falhou muito o Estado.
    Somos cidadoes que pagamos nossos impostos em dias e nunca se quer fomos indenizados, quantos pais de famílias foram ceifadas vida por conta desse bandidos
    ###REVERCONSTITUIÇÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook