O pai de todas as mentiras

João Lago

João Lago

João Lago

Uma frase bem batida quando se fala de mentirosos é aquela que diz: “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. Atribui-se a Joseph Goebbels, ministro de propaganda de Adolf Hitler, que durante o nazismo construía a imagem de um mito que a história demonstrou ser um tirano com necessidades imperiais de poder. Nos estados totalitários, nos quais a democracia é considerada uma perversão social, existe a necessidade imediata de construir mitos, elevando ao estado de semideus o líder carismático, pois a partir dele alicerça-se a convicção que todos os demais contrários as suas ideias são os inimigos do povo.

Lula da Silva é sem dúvida um líder carismático para aqueles que o seguem e devido ao seu destaque na cena política e criminal contemporânea tem os holofotes e microfones voltados para si. Embora eu acredite que muitas das atuais declarações de Lula são motivadas para manter vivo o mito de pés de barro que a lava jato ameaça derrubar e levar para o esgoto da história. Lula apoia-se no fato de que não há como ter certeza plena que ele foi o comandante do esquema criminoso de corrupção na Petrobras, assim como também não há a convicção absoluta que não tenha sido. Assim, apesar de avolumarem-se os indícios de sua participação como patrocinador e beneficiário do esquema bilionário de corrupção, a estratégia é negar sempre e desacreditar aqueles que o acusam atribuindo-lhes o desespero de condenados em busca de um acordo com a justiça que faça diminuir-lhes os anos de prisão.

É bem verdade que os acordos de colaboração com a justiça devem vir acompanhados de provas que sustentem uma acusação e devem ser homologadas pela justiça. Assim, não basta somente a denúncia vazia. Portanto, quando se tem notícia que uma colaboração tenha sido homologada tem-se a presunção que provas foram apresentadas e aceitas como pertinentes para levar a condenação do ilícito, mas dando ao acusado todo o direito ao contraditório, ou na linguagem fora do juridiquês: que possa apresentar sua versão para os fatos e defender-se. Entretanto, mesmo quando homologadas pela justiça e o acusado vem a público desacreditar o acordo firmado, não somente desmerece o seu acusador, mas também os promotores e o juiz que o ratificou. Cria-se uma teoria da conspiração na qual os aparelhos democráticos (incluindo a imprensa livre) estão mancomunados em uma perfídia política que visa suprimir o salvador da pátria. O mais obsceno é a versão, encampada por todos os que os seguem cegamente, que existe somente uma solução viável para o Brasil: Eles. É justamente neste aspecto que o maior mal que o Lula e o PT fizeram ao Brasil foi destruírem a esperança e a credibilidade que a esquerda possuía como porta-voz dos avanços sociais, principalmente quando veio à tona a lava jato e os partidos ditos de esquerda continuaram alinhados com o PT e afundaram sua credibilidade junto com o lulismo.

Neste vácuo de credibilidade é que uma greve geral nasceu fracassada, pois muitos daqueles que poderiam ir às ruas para criticar as reformas trabalhistas e previdenciárias preferiam não se imiscuírem com as bandeiras vermelhas para gritarem “volta Lula”, porque existe um medo latente da impunidade para o líder maior da bandalheira e que sua volta ao poder signifique um retrocesso na democracia, porque está claro para os lulistas que a solução para sua manutenção no poder passa pela supressão da imprensa e por meio do aparelhamento do judiciário, tal como hoje ocorre na Venezuela. No entanto, a lava jato continua e escancara a corrupção no congresso nacional e em governadores que tiveram intimidade com o poder e deixa claro que a renovação é necessária para que seja fundada uma nova república. O povo brasileiro não merece mais ser governado e representado por todos esses que estão no olho do furacão.

Independentemente dos acontecimentos presentes na crônica policial, faz-se necessário que aqueles que foram as ruas pedir fora Dilma e cadeia para o Lula, possam inteirar-se e refletir acerca das mudanças propostas nas aposentadorias e nas relações de trabalho que afetam o agora e o futuro de todos os trabalhadores. Essa estória que a mudança será para melhor deve merecer nossa desconfiança, pois assim como houve a imposição da CPMF para solução do custeio da saúde no Brasil e no final nada mudou, assim podemos ter uma repetição de uma política inócua, mas bem mais perniciosa na medida em que seus efeitos perpetuar-se-ão por décadas a fio.

Infelizmente a decisão sobre importantes matérias que afetam os trabalhadores hoje está na mão de um congresso nacional corrompido, desacreditado e sem uma agremiação política que os represente. Uma esquerda vazia, desacreditada e corrompida, essa é a verdadeira herança maldita deixada por Lula, Dilma e o PT.

 

* João Lago é professor universitário, mestre em Administração (Estratégica / Marketing), tem 10 anos de experiência em Logística Empresarial em empresas multinacional e de médio porte. É consultor independente em marketing, logística, finanças e custos. Ex-consultor do Sebrae Nacional em Brasília-DF, Unidade de Administração e Finanças. Experiente no terceiro setor na concepção e manutenção de projetos de captação de recursos, incluindo ações de marketing e administração de contratos. Pós-graduação em Controladoria e Finanças pela Fundace – USP Ribeirão Preto, em 2000. Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Moura Lacerda em 1998. Francês fluente, inglês e espanhol avançado e um razoável português.

Um comentário para “O pai de todas as mentiras

  1. E agora vem com cara de anjo do mal que ira salvar o Brasil e contra todas as reformas onde este bandido ladrao do lula e o PT afundaram o nosso Pais.Bandido safado e ladrao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook