A reviravolta de Lewandowski e as implicações práticas na gestão do Amazonas

Ricardo Lewandowski, ministro do STF, suspendeu a eleição no Amazonas

Quando o ministro Ricardo Lewandowski moveu a caneta e decidiu pela suspensão da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que havia confirmado a cassação do mandato do governador José Melo, feita pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), estabeleceu o caos na já combalida administração do Estado. Virou um Deus nos acuda. Mas é preciso frieza para buscar um fio de lucidez nesse caos.

A decisão é liminar, isto é, precária, sujeita a avaliação posterior.

Como ficam os candidatos que se haviam lançado à corrida, em busca do mandato de governador? Quem for prudente – e dispuser de recursos para tal – deve manter o ritmo. Nada, nada isso valerá para 2018. A decisão de promover eleição para governador dias 6/8 e 27/8, em 1º e 2º Turnos, só muda no caso de o TSE decidir voltar atrás no julgamento anterior. Isso dificilmente ocorrerá.

O mundo jurídico, a julgar pelo que decidiu o ministro do STF, se move cada vez mais pelo princípio de “o que não está no processo não está no mundo”. Ou, no popular, dane-se o mundo que eu não me chamo Raimundo.

Ninguém parece preocupado com os gastos que estão sendo feitos pela Justiça Eleitoral na estruturação da eleição suplementar. Ou, o que é mais importante, com os percalços para a gestão desse Estado gigantesco.

Há até brincadeiras, nas redes sociais, sobre a rotina do Governo: “Se Melo voltar, ele vai revogar as promoções dos policiais?” “Quem vai abrir o Festival de Parintins? E quem abrir, vai conseguir fechar?” “Se Melo não for governador, nem David Almeida, posso usar o camarote do governador no Festival?

O mundo real é que não é engraçado. O servidor público vai trabalhar, nesta quinta-feira (30/06), sem saber a quem se dirigir. Secretários nomeados ou demitidos nos períodos Melo/ David ficarão insones. A máquina vai parar ou acelerar, dependendo dos interesses dos envolvidos, deixando, numa ou noutra hipótese, o espírito público afastado.

O Estado está, de novo!, diante de uma grande interrogação. Ocorreu o pior, para um Estado que está atrasado em relação ao desenvolvimento: o Amazonas parou outra vez.

Veja também

Ministro Lewandowski suspende decisão do TSE e traz José Melo de volta ao Governo. Eleição suspensa... O ministro Ricardo Lewandowski acatou pedido de liminar feita pelo vice-governador cassado, Henrique Oliveira. Foto: DivulgaçãoO ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar nesta quarta-feira (28/06), suspendendo a decisão do Tribuna...
Nove candidatos ao governo do Amazonas somam patrimônio de R$ 43,3 milhões Primeiro turno das eleições suplementares para novo governador do Estado está marcada para 6 de agosto. Foto: DivulgaçãoOs nove candidatos com candidaturas inscritas para a eleição suplementar ao Governo do Estado totalizam, em bens declarados à Justiça Eleitoral, R$ 43...
EXCLUSIVO: Braga comenta Operação Custo Político, revela que concorrerá à reeleição e dá conselhos a... Braga comenta Operação Custo Político, que prendeu ex-secretários e empresáriosO senador Eduardo Braga afirma que os crimes apontados nas operações Maus Caminhos e Custo Político não atingem seus governos. Ele avisa: "O povo, bem ao mal, se informa e sabe quais são os c...
Polícia pede colaboração para localizar familiares de idosa deixada na delegacia A delegada Catarina Torres, titular da Delegacia Especializada de Ordem Política e Social (Deops), solicita a colaboração de todos na divulgação da imagem de Verônica Pereira dos Santos, 81, deixada no prédio da Delegacia Geral no início da tarde desta quinta-feira (14/12)...
MPE-AM denuncia delegado que matou advogado. Ação é por homicídio triplamente qualificado Foto: ReproduçãoO Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) denunciou o delegado Gustavo Sotero por homicídio triplamente qualificado. O acusado matou o advogado Wilson Justo Filho, no dia 25 de novembro, no Bar Porão do Alemão.Os tiros disparados pelo deleg...

Um comentário para “A reviravolta de Lewandowski e as implicações práticas na gestão do Amazonas

  1. Rubens disse:

    Eu vejo que o Estado do Amazonas esta servindo de balizamento para futuras decisões em Brasilia caso o Presidente Temer deixe vago o cargo que hora esta ocupando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *