Pediu o presente mais precioso, pai, mas você merece. E sei que cuidará de mamãe como sempre cuidou aqui

É essa postura cheia de dignidade e o olhar firme, mesmo nos últimos dias, que levaremos para sempre dela

Neste Dia dos Pais (13/08), meu pai resolveu pedir o presente mais precioso. E levou para junto de si minha mãe, aos 95 anos, cinco anos depois da partida dele.

Minha mãe sofreu uma parada cardíaca na noite de sábado (12/08). Foi atendida no 28 de Agosto, se recuperou, animou a todos, mas não resistiu a uma segunda parada e faleceu na tarde deste domingo.

Mamãe passou 45 dias internada, a maior parte em UTI, quando chegou a ser desenganada. Teve arritmia, pressão alta, pressão baixa, instabilidade de toda ordem. Por fim, quando se recuperou e estava prestes a deixar a unidade, os médicos me disseram que não voltaria a se alimentar, exceto pela sonda nasogástrica que usava.

Foi para um apartamento e poucos dias depois retirou a sonda, ela mesma, e pediu café com leite e pão. Comeu. Se recuperou. Chegou a fazer um culto com médicos, enfermeiros e acompanhantes, em que ela mesma cantou, fez o sermão e orou.

Ao voltar para casa, problemas de rins, nova internação e até uma “síndrome de 24 horas”, porque o corpo dela não distinguia mais entre dia e noite, fazendo-a insone por três dias e depois dormir outros três seguidos. Acordava bem e depois ia definhando. Superou tudo isso, surpreendendo a todos.

Em casa, entre nós, nos últimos dias, voltou a caminhar pela casa e estava inquieta. Quando lhe perguntavam o que mais queria fazer, ela dizia: “Me leve para Parintins. Quero ver meus vizinhos, meus amigos”. Já estava suspeitando que, outra vez, teria que lhe fazer a vontade. E farei, nesta terça, para deixá-la junto a meus pais e irmãos.

Sei que a saudade entre meu pai e ela era enorme. Não posso negar a relutância em deixá-la ir. Mas os fados me levaram para distante, no momento da partida.

Meu pai, prestes a falecer, internado, praticamente inconsciente, levantou-se de madrugada e gritou: “Cuidado! Cuidado com os meninos! Olha o carro!”. E depois: “Graças a Deus que não aconteceu nada. Está tudo bem”. Naquele mesmo horário, soubemos depois, meu filho mais novo sofria um acidente, do qual saiu ileso.

Minha mãe vinha tendo visões dele. Com aparente lucidez e olhos bem abertos me dizia: “Teu pai veio me ver”.

Quando deixei a Prefeitura, recentemente, cheguei em casa e a encontrei lanchando. Tomei a bênção, abracei, beijei e ela me perguntou: “Meu filho, você saiu da Prefeitura?” Como? Não sei. Só eu sabia. E, em seguida, segurando minhas mãos: “Faça o que manda seu coração”.

Revelo essas coisas, neste espaço que compartilho com o leitor deste portal, esperando trazer conforto aos que perderam entes queridos. Sei que muitos passaram por experiências semelhantes e falar sobre isso ajuda a amenizar a dor.

Minha mãe passou pela perda de quatro dos cinco filhos, pela ordem, Efraim, Rubem, Suzana e Itamar. Depois dessa dor toda, que nenhuma mãe merece ter, perdeu papai. Não perdeu, em nenhum momento, a fé cristã que sempre a moveu.

Deus deixou o menor de todos os filhos para protegê-la na fase final da vida. Talvez o menos capaz. E deu a mim as condições e a companheira, Tereza, para que pudesse enfrentar as dificuldades e atendê-la da melhor forma possível.

Agradeço às guardadoras, Lizângela e Lilian, incansáveis ao lado dela. À equipe médica, meus amigos Euler Ribeiro, Renato Oliveira Martins e Geraldo Gadelha, o diretor do 28 de Agosto, Paulo Mendonça, demais médicos, enfermeiros, equipes do Santa Júlia e da Beneficente Portuguesa. Todos têm minha gratidão eterna.

Mamãe, Raimunda dos Santos Carmo, sei agora com clareza que você foi e sempre será a fonte da minha fortaleza. Seu olhar, severo, implacável, inflexível, seguirá comigo, como uma lanterna a iluminar a escuridão.

Vele por nós. Saudades.
PS: Mamãe estará sendo velada, a partir deste domingo, às 20h, na funerária Almir Neves da Joaquim Nabuco, velório 2. Seguirá comigo para Parintins, terça-feira (15/08), para culto de corpo presente na Igreja Batista. O sepultamento está marcado para as 11h do mesmo dia, ao lado de Zé Caiá e meus irmãos. Agradeço desde já a todos pela solidariedade.

Veja também

Vó Virgínia, Tia Mariquinha, Zeca Xibelão e dona Maria do tacacá para ajudar a entender Parintins... Dona Maria e a Festa do Carmo estão entre as tradições parintinenses, que sejam feitas de indivíduos ou de multidões, estão sempre presentesA formação do povo de Parintins, responsável pelo Festival Folclórico de Caprichoso e Garantido e pela Festa do Carmo, que acaba d...
Mamãe, 95, por todas as mães A mãe, já idosa, debruça-se sobre o parapeito da janela que dá para o quintal, na casa de barro, coberta de palha. E deita a dar conselhos à filha, enquanto o marido desta, pescador, tarda a chegar. Essa cena, típica de minha infância, é traçada por minha mãe, 95 anos, na ca...
Festival de Parintins foi melhor que em 2016, mas precisa mudar para voltar ao auge da festa Caprichoso venceu o Festival de Parintins mexendo radicalmente nos itens. É hora de outras mexidas na festa inteira. Foto: Tereza CidadeOs bumbás de Parintins mostram, ano após ano, a incrível capacidade de superar adversidades. Passaram, ambos, por momentos em que os p...
O aniversário de um patrimônio amazonense chamado Chico da Silva Chico da Silva e sua mãe, Guajarina, mulher guerreira e uma homenageia de muita luta a todas as mãesChico da Silva, autor de "Sufoco", "O pandeiro é meu nome", "Deus menino", "Diário de um Boêmio", "É preciso muito amor" e "Vermelho", entre muitos, muitos outros sucesso...
Parte Wilmarzão, aos 98 anos, deixando o estereótipo da vida parintinense Wilmarzão, na última Feira Agropecuária de Parintins, com a neta MirasolUma ilha, isolada tanto pela água quanto pela distância das metrópoles amazônicas, Manaus e Belém, a cidade de Parintins criou referências próprias e um modo de vida peculiar. Parte disso é demonstr...

7 comentários para “Pediu o presente mais precioso, pai, mas você merece. E sei que cuidará de mamãe como sempre cuidou aqui

  1. Gilvan Seixas disse:

    Marcos meu amigo, meus sinceros pêsames pela perda de sua querida mãe. Só fã do amor dedicado a ela e a seu pai Ze Caiá. Foram momentos de muita dedicação ao dealbar de ambos.
    Deus haverá de lhe reservar sempre o espaço merecido na vida – o espaço cativo dos bons folhos e dos bons pais. Não vou ao velório. Coincidentemente na mesma funerária foi velado meu amado pai Raimundinho e sinto muita dor pela sua perda em 2014. Condolências em meu nome e de toda a minha família.

  2. Francisco tussolini disse:

    Caro Marcos Santos, quando fui secretário de saúde de Parintins, há 10 anos fazia uma visita, de vez em quando, aos seus pais. Depois vi seu sofrimento com a morte do seu pai e agora imagino como está difícil para você! Peço a Deus que te de força e certamente ela já está ao lado do seu pai. Meus sentimentos!! Tussolini e familia.

  3. Dodó Carvalho disse:

    Meu Prezado Amigo, receba nossos sentimentos pela partida da sua Mãe.

  4. José Roque Nunes Marques disse:

    Meus sentimentos amigo!

    No céu, Deus preparou um lugar especial para as Mães – esses seres humanos especiais cuja fragilidade do corpo disfarça uma força de gigante, uma coragem de guerreira e uma capacidade extraordinária de educar pelo exemplo.
    Dona Raimunda o ajudou a crescer, a enfrentar a vida e ser livre. Fica o exemplo para todos !

     Roque e Socorro

  5. Natan Barroso-ibc disse:

    Marcos meu irmão, que O Soberano Deus console o coração de toda tua fmilia e te dê paz em meio a separação.

  6. Henrique disse:

    Minhas condolências, Marcos Santos.

  7. Emme Lamego disse:

    Bonito exemplo de sua parte para com sua maezinho, caro amigo Marcos Santos, ela com certeza está nos breços do Papai no céu. Que o Espírito Santo conforte os corações dos seus familiares, Minhas condolências. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook