Depois do Fundeb 2016, Amazonas pode receber mais R$ 200 milhões de 1997 a 2007

O procurador-geral do Estado, Tadeu de Souza, disse que o cálculo dos estados chegou a ser questionado pela Advocacia Geral da União, mas não obteve êxito no STF. Foto: Divulgação

O governo federal terá que dispor de, aproximadamente, R$ 50 bilhões em pagamentos devidos aos estados para a complementação ao Fundo de Manutenção e de Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), atual Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), referentes ao período 1997 a 2007.  A decisão contempla o Amazonas, que deverá receber mais de R$ 200 milhões, sem contar a correção monetária.

O Estado já havia recebido do Fundeb o valor de R$ 236 milhões, no mês de julho, referente à diferença não repassada do Fundeb do ano passado. O governador David Almeida decidiu repassar esse valor, em forma de quatro parcelas de abono salarial, para os professores estaduais. As duas primeiras parcelas serão pagas dia 20/09.

A procuradora do Estado Sandra Couto, Chefe da Procuradoria do Amazonas, no Distrito Federal, disse que a sentença do STF só beneficiou os estados que entraram com uma Ação Civil Originária (ACO) junto ao Supremo, questionando o valor mínimo repassado por aluno em cada unidade da federação que não pode ser inferior à média nacional apurada, e a complementação ao fundo, fixada em desacordo com a média nacional. O Amazonas ingressou com a ACO 660, no STF, em 30 de dezembro de 2002, há quase 15 anos.

Também entraram com  a ACO, Bahia, Sergipe e Rio Grande do Sul. “Como chefe da Procuradoria no Distrito Federal, em conjunto com os demais procuradores dos outros estados, iniciamos pesquisas e chegamos à conclusão de que a União estava descumprindo a legislação do antigo Fundef, atual Fundeb, ao fazer a complementação financeira da parte que lhe cabia, utilizando o índice regional por aluno e não pelo valor nacional”, explicou Sandra Couto.

Recuperação

Com base nesse levantamento, a procuradora acionou a PGE, no Amazonas, para alertar sobre a importância de se discutir a questão no Supremo Tribunal Federal por meio de uma Ação Civil Originária que levantaria a perda da receita do Fundef. Após outros estados ingressarem com o mesmo questionamento, uma série de audiências foi realizada  com os ministros do Supremo e os procuradores de cada estado levaram memoriais com a apuração das perdas do fundo.

“A atuação da doutora Sandra Couto foi fundamental para o Amazonas conseguir fazer a recuperação da receita devida do Fundef, antigo Fundeb. Pelo levantamento da procuradora informado na Ação Civil Originária, o Amazonas deverá receber  mais de R$ 200 milhões, excluindo a correção. Esse montante será de grande importância para o Estado avançar na melhoria do ensino público”, destacou o procurador-geral do Estado, Tadeu de Souza.

O cálculo dos estados chegou a ser questionado pela Advocacia Geral da União, mas não obteve êxito. No dia 6 de setembro deste mês, o STF decidiu por 5 votos a 2, que o governo federal teria de arcar com o prejuízo bilionário, no julgamento conjunto de quatro ações cíveis originárias de quatro estados.  “É importante ressaltar que a decisão também estabeleceu que os recursos recebidos retroativamente deverão ser destinados exclusivamente à educação”, ressaltou Tadeu de Souza.

Explicação no acordão

Durante a votação no STF, o debate dos ministros teve como base a interpretação do parágrafo 3º do artigo 60 das Disposições Transitórias da Constituição anterior à emenda que permitiu a criação do Fundeb. No seu voto vencedor, Edson Fachin concluiu que – em face da prevalência do princípio federativo – merece guarida a demanda do recálculo do Valor Mínimo Nacional por Aluno.

Fachin decidiu ainda que a indenização aos autores, decorrente do montante pago a menor a título de complementação pela ré (a União) no período de vigência do Fundef, isto é, os exercícios financeiros de 1998 a 2007. Diante da explicação, a maioria dos ministros aprovou que fosse publicado no acórdão a seguinte decisão: “O valor da complementação da União ao Fundef deve ser calculado com base no valor mínimo por aluno, respeitada a média nacional”.

Veja também

Terceirizado, desesperado, salário atrasado, o nome do escravo ‘moderno’ no Amazonas. Co... Terceirizados do João Lúcio protestam pedindo pagamentoTerceirizado, trabalhador das empresas que prestam serviço público no Amazonas, é o nome da vítima do maior escândalo da atualidade. O maior e mais visível da história estadual. Vão receber, dia 22 de dezembro, os s...
Entenda a saída de Bosco Saraiva do PSDB e como fica a aliança de Arthur com Amazonino A saída de Bosco Saraiva do ninho tucano mexe nas relações do prefeito Arthur com o governador AmazoninoO vice-governador e secretário estadual de Segurança, Bosco Saraiva, acaba de deixar o PSDB, do prefeito Arthur Virgílio. Foi para o Solidariedade (SDD), do líder da ...
Governador Amazonino Mendes e embaixador peruano discutem parcerias comerciais O governador Amazonino Mendes e o embaixador do Peru, Vicente Rojas Escalante, em reunião na sede do Governo. Foto: Clovis Miranda/Secom.Uma parceria comercial entre o Estado do Amazonas e o Peru, por meio de uma logística fluvial, foi a pauta do encontro entre o govern...
Veículos abandonados são retirados de quatro bairros da zona Norte de Manaus Os veículos foram retirados dos bairros Colônia  Santo Antônio, Cidade Nova, Manoa e Parque das Nações. Foto: Marinho Ramos/Semcom Uma operação de trânsito realizada em vias da zona Norte, na manhã desta quarta-feira (22/11), removeu cinco sucatas de veículos abandonados n...
Gerente do DB afirma que violência está espalhada e anuncia cancelas nas lojas de maior movimento Grupo DB vai adotar cancelas para tentar conter assaltos aos clientes.O gerente de marketing do grupo DB, Guto Corbett, respondeu as denúncias de assaltos no DB Ponta Negra. "Colocamos, além da segurança terceirizada, cancelas de controle nas lojas de maior movimento. O...

Um comentário para “Depois do Fundeb 2016, Amazonas pode receber mais R$ 200 milhões de 1997 a 2007

  1. Parabéns ao governador Davi que não mediu esforço para que o professor tivesse direito ao repasse. Que Deus lhe abençoe grandemente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *