“Movimento Sem Terra” reúne fotos impactantes de Sebastião Salgado no Sumaúma Park Shopping

Reconhecido mundialmente pelo estilo único de retratar a condição humana em diferentes partes do planeta, fotógrafo tem registros reunidos em mostra a ser aberta nesta terça (26). Fotos: Sebastião Salgado

Conhecido pelos impressionantes registros em diferentes cenários e momentos históricos pelo mundo, da febre do garimpo em Serra Pelada (PA), nos anos 1980, até as paisagens congeladas da Antártica, Sebastião Salgado é tema da nova exposição da Sala Coletiva das Artes, no Sumaúma Park Shopping.

Com abertura marcada para a terça-feira (26), às 10h, “Movimento Sem Terra” reúne imagens do fotógrafo mineiro registrando 15 anos da história do movimento de luta pela reforma agrária no Brasil.

“Movimento Sem Terra” é uma realização do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, com apoio do centro de compras da Zona Norte. A mostra é aberta ao público em geral e fica em cartaz até 26 de novembro de 2017, com visitação gratuita de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados, das 14h às 20h, segundo os horários das lojas do Sumaúma Park.

Ao todo, a exposição na Coletiva das Artes vai reunir 15 fotografias de Sebastião Salgado, pertencentes ao acervo da Pinacoteca do Estado. A seleção reúne parte do acervo produzido pelo fotógrafo mineiro principalmente entre os anos 1980 e 1990, quando Salgado acompanhou a luta dos trabalhadores rurais pelo acesso à terras para produção agrária. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), criado em 1984, reuniu 4,8 milhões de famílias em torno da redistribuição de terra no Brasil.

O olhar único de Sebastião Salgado sobre a figura humana e sua condição é o que se destaca nas obras reunidas na mostra, como aponta o secretário estadual de Cultura, Robério Braga. “As fotos de Sebastião Salgado elevam o registro documental a outro patamar, acrescendo às cenas retratadas uma perspectiva estética que lhe deu reconhecimento mundial e ajudou a projetar seu trabalho em nível internacional”, diz.

Curador da mostra, o fotógrafo búlgaro Roumen Koynov lembra que a obra de Salgado já foi criticada justamente pelo seu caráter esteta. “Exatamente essa sua visão sobre o jeito de transmitir para o público as suas ideias faz dele um fotógrafo único, combinando o poder das imagens em preto e branco com composições impecáveis, texturas rústicas e conteúdo extremamente chamativo”, escreve ele, radicado em Manaus há quase 20 anos.

Registro

As imagens reunidas em “Movimento Sem Terra”, segundo Roumen Koynov, são exemplo do talento de Sebastião Salgado em captar texturas, composições e conteúdos singulares em fotos em P&B. As obras registram o cotidiano de famílias de trabalhadores rurais, dentre crianças, adultos e idosos. O trabalho, que Salgado iniciou em seu retorno ao Brasil após o exílio nos anos da regime militar, revela “o talento inquestionável de um dos maiores fotógrafos da atualidade”, diz o curador.

O interesse de Salgado pela situação dos trabalhadores rurais vem de antes de deixar o Brasil. “Quando eu era jovem, o Brasil era um país subdesenvolvido e, antes de ir embora, vi a pobreza crescer”, escreveu o fotógrafo no livro “Da minha terra à Terra” (2013). De volta ao país em 1979, ele conta que a pobreza lhe saltou aos olhos.

“Durante a ditadura (…) grande parte dos pequenos proprietários rurais vendeu sua terra a ‘preços sedutores’ (…) a grandes empresas agrícolas. Era como se tivessem sido expropriados, pois passaram a viver na precariedade. As primeiras fotos que tirei, ao voltar, mostram a situação desses camponeses, os boias-frias, que viviam à margem das imensas propriedades agrícolas criadas pela reunião de suas antigas terras”.

Em protesto contra a injustiça, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra foi criado em 1984. Salgado acompanhou a luta dos camponeses por quase 15 anos. “O MST agia legalmente e não lesava ninguém, ocupava apenas terras não cultivadas”, avalia o fotógrafo. “A Constituição brasileira estipula a proibição da posse de terras improdutivas. O que não impediu os grandes proprietários de infringirem a lei (…) Mesmo assim, graças ao MST, muitas dessas terras foram finalmente redistribuídas, na época, a cerca de 200 mil famílias”.

Trajetória

Nascido em 1944, em Aimorés (MG), Sebastião Ribeiro Salgado é premiado e reconhecido mundialmente por seu estilo único em retratar, em especial, a condição humana em diferentes partes do planeta. Vive em Paris desde o final da década de 1960. Formado em Economia pela Universidade de São Paulo (1968), e Doutor pela Université de Paris (1971), descobriu sua paixão pela fotografia no início dos anos 1970, durante uma viagem de trabalho à África.

Em 1979, entrou para a Magnum – agência de fotografia criada por Robert Capa e Henri Cartier-Bresson. No dia 30 de março de 1981, Salgado estava fotografando uma série sobre os primeiros dias de Ronald Reagan e documentou o atentado a tiros contra o então presidente. Com total exclusividade, a venda das fotos para diversos jornais foi o que financiou seu primeiro projeto de fotografia autoral e documental, uma viagem à África.

Entre os prêmios que Salgado já recebeu estão o World Press (Holanda, 1985), Oscar Barnack (Alemanha, 1985 e 1992), Erna e Victor Hasselblad (Suécia, 1989) e Fotojornalismo do International Center of Photography (EUA, 1990). Recebeu ainda diversas outras honrarias, sendo representante especial da Unicef e membro honorário da Academia das Artes e Ciências dos Estados Unidos.

Salgado já viajou por mais de cem países para projetos fotográficos que, além de inúmeras publicações na imprensa, foram apresentados em forma de livros. Pode-se citar “Trabalhadores” (1996), “Terra” (1997), “Serra Pelada” (1999), “Outras Américas” (1999), “Retratos de crianças do Êxodo” (2000), “Êxodos” (2000), “O fim do pólio” (2003), “Um incerto estado de graça” (2004), “O berço da desigualdade” (2005), “África” (2007) e “Gênesis” (2013).

Programação

Inaugurada no último dia 21 de março, com a exposição “Imaginário Amazônico”, reunindo obras do amazonense Da Silva Da Selva, a sala Coletiva das Artes já abrigou outras duas mostras ao longo deste ano: “As Amazonas de Zuazo”, com obras da artista amazonense Auxiliadora Zuazo, e “Panorama da Arte de Moacir Andrade”, com obras do saudoso artista plástico, falecido em 2016.

Após “Movimento Sem Terra”, a agenda de exposições na Sala Coletiva das Artes em 2017 deverá se encerrar com “Uma época da Manaus Antiga”, reunindo trabalhos do fotógrafo George Huebner (1910-1996), ficando em cartaz de 28 de novembro a 30 de dezembro.

 

Serviço

Exposição “Movimento Sem Terra”, com fotografias de Sebastião Salgado

Local: Sala Coletiva das Artes, Sumaúma Park Shopping, Piso Japiim, 1º andar, na avenida Noel Nutels, 1.762, Cidade Nova

Data/hora: Abertura dia 26 de setembro de 2017, às 10h; visitação até 26 de novembro de 2017, de segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos e feriados, das 14h às 20h

Entrada: Gratuita

Classificação indicativa: Livre

Veja também

Artista do AM expõe as obras em programa de TV em rede nacional Rai Campos, também chamado de Raiz, é conhecido por representar elementos amazônicos através de grafites feitos em espaços urbanos. Fotos: Reprodução FacebookDurante esta semana (12 a 16 de fevereiro), o Brasil inteiro poderá conhecer algumas obras do artista regional R...
EXCLUSIVO Registro da cheia e vazante dá prêmio internacional a fotógrafo amazonense. Veja as fotos... EXCLUSIVO Registro da cheia e vazante dá prêmio internacional. Raphael Alves recebeu cópia digital quinta (08/02) à noite. Fotos: Raphael AlvesO trabalho "Quando as águas", registrando enchente e vazante na Amazônia, acaba de ser premiado internacionalmente. O fotógrafo...
Expo Flores Manaus encerra neste fim de semana Última chance de conferir as flores de Holambra. Foto DivulgaçãoEsse final de semana será a última chance para quem ainda não foi conferir a Expo Flores Manaus, mais conhecida como Festival de Flores de Holambra, na Praça da Saudade, no Centro da capital.Os visitant...
Dia Nacional do Fusca será comemorado com exposição de carros antigos Pelo menos 150 fuscas vão ficar expostos no Largo de São Sebastião. Foto: Divulgação Neste domingo (21/1), a partir das 8h, o Largo de São Sebastião será cenário de uma exposição de carros antigos em comemoração ao Dia Nacional do Fusca. O evento, que tem entrada franca, s...
Consulta pública para ensaios fotográficos no Teatro Amazonas é prorrogada Cobrança de taxas para ensaios fotógrafos e filmagens profissionais faz parte do projeto de autogestão para o espaço. Foto: Michael Dantas/ SECA consulta pública para cobrança de ensaios fotográficos e filmagens profissionais, de interesse comercial, no Teatro Amazonas,...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook