Série de concertos relembra centenário da chegada do compositor francês Darius Milhaud ao Brasil

Nova turnê do projeto idealizado e dirigido pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte chega a Manaus na próxima terça-feira (26), no Teatro Amazonas. Foto: Barbara Umbra

A oitava edição do Circuito Musica Brasilis, idealizado e dirigido pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte, chega a Manaus na próxima terça-feira (26), no Teatro Amazonas. Com entrada gratuita, a apresentação acontece às 20h e conta com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC).

O espetáculo faz referência à chegada ao Brasil do compositor Darius Milhaud (1892-1974) há exatos cem anos, em 1917. Nos dois anos em que o francês permaneceu no Rio de Janeiro, fez amizade com diversos compositores e, de regresso à França, inspirado nas músicas populares que ouviu durante a permanência no Rio, ele compõe em 1919, “Le boeuf  sur le toit”, tradução do título do tango de José Monteiro – “O boi no telhado”, lançado no Carnaval de 1918.

O sucesso da peça inspirou a criação do restaurante homônimo em Paris e a expressão “faire le boeuf”, usada pelos músicos quando se juntam para improvisar. O programa do concerto inclui obras de Darius Milhaud e dos compositores em que se baseou – Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga –, além de Heitor Villa-Lobos, e será interpretado pela Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA), regida por Bruno Nascimento, tendo como solista José Staneck (harmônica), que, durante o espetáculo, lerá trechos de cartas de Milhaud alusivas ao Brasil.

Boi brasileiro no telhado francês

A história começa no Carnaval de 1918, quando um tal de José Monteiro lançou o “O boi no telhado”, sucesso que não deixaria o compositor francês Darius Milhaud indiferente. O artista chegara ao Brasil um ano antes, em missão diplomática, como secretário de Paul Claudel. Encantados estavam com as palmeiras imperiais da Rua Paissandu, com as noites nos salões musicais da capital da jovem república, com a ginga dos ritmos populares.

O jovem Darius saiu comprando partituras – havia lojas de partituras –, todos os “tangos, maxixes, sambas e cateretês” que conseguiu. Tocava, tocava, mas faltava algo… o molho, o “petit rien” (pequeno nada), que dava graça àquela música.

Foi ouvir Ernesto Nazareth tocar na sala de espera do cinema Odeon, e percebeu que se tratava de um dos melhores. Encantou-se também com “Marcelo Tupinambá”, o engenheiro Fernando Lobo, que adotou o pseudônimo para disfarçar a condição de músico popular. Milhaud achava que os compositores clássicos deveriam beber naquela fonte, da música autenticamente brasileira, diferente de tudo o que tinha ouvido.

Depois de quase dois anos, Milhaud volta a Paris com as malas cheias de música de Nazareth e Tupinambá, mas também de Chiquinha Gonzaga, Alberto Nepomuceno, Alexandre Levy, Álvaro Sandim e muitos outros. “Estava feliz por retornar… Mas minha alegria estava mesclada de nostalgia: eu amava profundamente o Brasil”.

O compositor passou por um período árido de inspiração, chegou a conjecturar que teria deixado a sua verve no Brasil. Os “tangos, maxixes, sambas e cateretês” o reacenderam para a música e ele escreve em 1919 “Le Boeuf sur le toit”. Com roteiro de Jean Cocteau e cenários de Raoul Dufy, a peça estreia com sucesso estrondoso na Comédie des Champs Elysées.

As brincadeiras dos palhaços Fratelini embaladas por ritmos brasileiros vinham bem a calhar no pós-guerra europeu. A peça de Milhaud nada mais é do que uma inspirada costura de 24 peças brasileiras que levou na bagagem, entre as quais “O boi no telhado”.

Milhaud e seus colegas compositores do grupo dos seis passaram a se encontrar para tocar as peças brasileiras no Bar Gaya, cujo dono, animado com o crescente sucesso das noites de sábado, fundou o restaurante Le Boeuf sur le Toit, que existe até hoje em Paris. O local tornou-se o point de músicos e escritores e originou a expressão “faire le boeuf”, que significa dar uma canja, tocar de improviso.

Circuito Musica Brasilis

Criado em 2009 pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte, é a única série de espetáculos multimídia voltados principalmente aos repertórios brasileiros de todos os tempos. Ao longo de sete edições, o Circuito BNDES Musica Brasilis realizou mais de cem espetáculos em 24 cidades por todo o Brasil, com público de mais de 30 mil pessoas, além de três programas difundidos em rede aberta de TV para mais de 500 mil espectadores em todo o Brasil.

 

Programa VIII Circuito Musica Brasilis

Chiquinha Gonzaga (1847-1935) – “Gaucho, Atraente”

Darius Milhaud (1892-1974) – “Saudades do Brasil” (1920)

Heitor Villa-Lobos (1887-1959) – “Kankikis” (arranjo José Staneck)

Ernesto Nazareth (1863-1934) – “Odeon” (arranjo Luciano Gallet)

Darius Milhaud (1892-1974) – “Le Boeuf sur le Toit”

Heitor Villa-Lobos (1887-1959) – “O trenzinho do caipira (das Bachianas nº 2)”

Com a Orquestra de Câmara do Amazonas
Regência:
 Bruno Nascimento
Solista: José Staneck (harmônica)

Serviço

VIII Circuito Musica Brasilis – Concerto com a Orquestra de Câmara do Amazonas

Data/hora: Dia 26 de setembro de 2017, terça-feira, às 20h

Local: Teatro Amazonas, avenida Eduardo Ribeiro, 659, Centro

Entrada: Gratuita, com acesso mediante ordem de chegada, limitada à capacidade do teatro

Classificação indicativa: Livre

Informações: (92) 3232-1768

Veja também

Definida ordem de apresentação das concorrentes do 6º Festival Amazonas de Música Sequência foi definida no Centro Cultural Palácio da Justiça, e reuniu artistas e representantes do Sindicato dos Músicos Profissionais do Amazonas e a coordenação geral. Foto: DivulgaçãoNa reta final dos preparativos para o 6° Festival Amazonas de Música, foi realizado...
Serginho Queiroz celebra 25 anos de carreira em show no Teatro Amazonas Músico revive sucessos de toda a sua trajetória e recebe convidados no espetáculo “Sobre todas as coisas”, neste domingo, a partir das 19h. Foto: SEC/DivulgaçãoDono de um talento musical que abrange variados estilos musicais, Serginho Queiroz comemora 25 anos de carreir...
Banda Essence comemora 20 anos de estrada com show no Teatro Amazonas Intitulada “Essence 20 Anos”, apresentação fará retrospectiva da trajetória da banda co​​​​​​m várias surpresas neste sábado, às 20h, no Teatro Amazonas. Foto: Divulgação Representante fiel do rock’n roll no Amazonas, a banda Essence comemora 20 anos de estrada com um lega...
Teatro Amazonas recebe obras de arte restauradas, placas e busto de Eduardo Ribeiro nesta quinta Casa lírica vai receber de volta falsos gobelins, obras de arte em pintura imitando tapeçaria, além de um busco do governador Eduardo Ribeiro e peças restauradas. Foto: ArquivoO Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, realiza entrega de peças n...
Banda Bates Motel fará tributo ao Linkin Park no Teatro Amazonas Banda Bates Motel sobe ao palco do Teatro Amazonas na próxima terça-feira para um show beneficente, em dois horários. Ingresso é uma doação de livros ou brinquedo. Foto: DivulgaçãoRock, homenagem, reflexão e apoio à causa social. Com todos esses elementos, a banda Bates...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook