Ministro amazonense do STJ vota pela perda de cargo de desembargador de Roraima por corrupção

O ministro da corte especial do STJ, Mauro Campbell, foi relator do processo que determinou a perda de cargo de desembargador por crime de concussão. Foto: Arquivo

A Corte Especial do STJ condenou o desembargador Mauro Campello, do Tribunal de Justiça de Roraima (TJ/RR), pelo crime de concussão, quando presidia o TRE daquele Estado.

Em decorrência da condenação, foi decretada a perda do cargo de Campello. No início do ano, o desembargador tomou posse como corregedor-Geral da Justiça.

O crime de concussão é quando o servidor público exige dinheiro ou benefício, um bem ou um favor, para fazer ou deixar de fazer algo.
O relator da ação, ministro Mauro Campbell, destacou no voto que o desembargador aproveitou servidora de seu gabinete, nomeando-a em troca de receber parte de seus rendimentos.
O modus operandi foi a entrega de quantias em espécie por motoristas de confiança do desembargador.
“Os depoimentos colhidos nos autos demonstram a efetiva ocorrência do crime de concussão por exigência direta de Mauro e Larissa (então esposa).”
Na fixação das penas, o ministro Campbell destacou a “acentuada reprovabilidade da conduta”, tendo em vista a “aumentada responsabilidade por zelar pela moralidade administrativa já que presidente de Corte eleitoral”.
A pena-base foi fixada em 2 anos e 6 meses de reclusão e 60 dias-multa de 1 salário mínimo à época, no regime inicial semiaberto.
Diante das peculiaridades do caso em concreto, o ministro substituiu a prisão por duas restritivas de direito: prestação pecuniária (60 salários mínimos a entidade pública com destinação social em Roraima) e serviços comunitários (pelo prazo da pena privativa de liberdade).
Perda do cargo
Ao decretar a perda do cargo de desembargador, o ministro ressaltou: “o crime praticado com infringência dos mais elementares princípios que norteiam a função pública”.
No caso da ex-esposa (“que se aproveitou da condição funcional de seu marido para manter os termos da exigência ilícita”), Campbell fixou a pena-base em 2 anos e 3 meses de reclusão e 40 dias-multa, também substituídas por duas restritivas de direitos – prestação pecuniária (40 salários mínimos a entidade pública com destinação social em Roraima) e serviços comunitários (pelo prazo da pena privativa de liberdade).
O revisor da ação penal, ministro Benedito Gonçalves, acompanhou o relator na íntegra: “Não há dúvida razoável a respeito da prática dos réus da exigência de que partilhassem remuneração recebida.” A decisão da Corte foi unânime.

Veja também

Julgamento de ex-procurador acusado de mandar matar Mauro Campbell é adiado. Advogados do réu não co... Julgamento do réu Vicente Cruz foi adiado para 6 de novembro. Advogados dele não comparecer à sessão marcada para hoje. Foto: ArquivoO julgamento do ex-procurador de Justiça Vicente Augusto Cruz de Oliveira, marcado para esta sexta-feira (6), foi adiado. A assessoria do...
Ex-procurador Vicente Cruz será julgado por tentativa de homicídio contra hoje ministro do STJ. Ele ... Tribunal do Júri fará julgamento do ex-procurador Vicente Cruz, pronunciado por tentativa de homicídio qualificado contra o atual ministro do STJ, Mauro Campbell. Foto: Divulgação TJAMA 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus realizará nesta sexta-feira (6), a ...
Mauro Campbell, do STJ, é eleito para a Academia Brasileira de Direito Tributário Ministro amazonense Mauro Campbell foi eleito para integrar a Academia Brasileira de Direito Tributário, assumindo no próximo dia 10 de novembro. Foto: ArquivoO ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STF), foi eleito para integrar a Academia Brasileir...
Associação dos Magistrados e presidente do TJAM defendem conduta de ministro Mauro Campbell Amazon e desembargador Flavio Pascarelli, em notas oficiais, prestam solidariedade a ministro Mauro Campbell, que foi arrolado em denúncia sobre a JBS buscar comprar decisões em tribunais superiores. Foto: ArquivoA Associação dos Magistrados do Amazonas (Amazon) e o pre...
Advogada da JBS insinua que ministro amazonense vende sentenças e ele reage duramente. Veja o texto ... Ministro Mauro Campbell reagiu duramente a suposto envolvimento no escândalo da JBS divulgado na mídia nacional. Ele pediu investigação da PGR e disse que não se sujeitará a calúnias. Foto: ArquivoO ministro amazonense que integra a corte do Superior Tribunal de Justiça...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook