Ministro amazonense do STJ vota pela perda de cargo de desembargador de Roraima por corrupção

O ministro da corte especial do STJ, Mauro Campbell, foi relator do processo que determinou a perda de cargo de desembargador por crime de concussão. Foto: Arquivo

A Corte Especial do STJ condenou o desembargador Mauro Campello, do Tribunal de Justiça de Roraima (TJ/RR), pelo crime de concussão, quando presidia o TRE daquele Estado.

Em decorrência da condenação, foi decretada a perda do cargo de Campello. No início do ano, o desembargador tomou posse como corregedor-Geral da Justiça.

O crime de concussão é quando o servidor público exige dinheiro ou benefício, um bem ou um favor, para fazer ou deixar de fazer algo.
O relator da ação, ministro Mauro Campbell, destacou no voto que o desembargador aproveitou servidora de seu gabinete, nomeando-a em troca de receber parte de seus rendimentos.
O modus operandi foi a entrega de quantias em espécie por motoristas de confiança do desembargador.
“Os depoimentos colhidos nos autos demonstram a efetiva ocorrência do crime de concussão por exigência direta de Mauro e Larissa (então esposa).”
Na fixação das penas, o ministro Campbell destacou a “acentuada reprovabilidade da conduta”, tendo em vista a “aumentada responsabilidade por zelar pela moralidade administrativa já que presidente de Corte eleitoral”.
A pena-base foi fixada em 2 anos e 6 meses de reclusão e 60 dias-multa de 1 salário mínimo à época, no regime inicial semiaberto.
Diante das peculiaridades do caso em concreto, o ministro substituiu a prisão por duas restritivas de direito: prestação pecuniária (60 salários mínimos a entidade pública com destinação social em Roraima) e serviços comunitários (pelo prazo da pena privativa de liberdade).
Perda do cargo
Ao decretar a perda do cargo de desembargador, o ministro ressaltou: “o crime praticado com infringência dos mais elementares princípios que norteiam a função pública”.
No caso da ex-esposa (“que se aproveitou da condição funcional de seu marido para manter os termos da exigência ilícita”), Campbell fixou a pena-base em 2 anos e 3 meses de reclusão e 40 dias-multa, também substituídas por duas restritivas de direitos – prestação pecuniária (40 salários mínimos a entidade pública com destinação social em Roraima) e serviços comunitários (pelo prazo da pena privativa de liberdade).
O revisor da ação penal, ministro Benedito Gonçalves, acompanhou o relator na íntegra: “Não há dúvida razoável a respeito da prática dos réus da exigência de que partilhassem remuneração recebida.” A decisão da Corte foi unânime.

Veja também

EXCLUSIVO: STJ mantém afastamento de desembargadora Encarnação em decisão unânime Afastamento da desembargadora Encarnação Salgado ocorreu porque ela foi acusada de ligação com integrantes da FDNAfastamento da desembargadora Encarnação das Graças Sampaio Salgado do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) está mantido por mais três meses. A decisão, un...
Ministro amazonense do STJ manda prender presidente de TCE e cancela viagem a Manaus Ministro Mauro Campbell ficou à disposição do STF no julgamento de HC de presidente de TCEO ministro Mauro Campbell, amazonense, integrante do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ficou impedido de vir a Manaus. Ele era um dos principais convidados do Simpósio Nacional d...
STJ consolida que sexo com menor de 14 anos é estupro de vulnerável Sexo ou ato libidinoso com menor de 14 anos, independente de ter havido consentimento, é estupro de vulnerável, conforme entendimento do STJ em súmula. Foto: ArquivoSexo ou ato libidinoso com menor de 14 anos é estupro de vulnerável, independente de ter havido consentim...
Ex-procurador Vicente Cruz é absolvido da tentativa de homicídio contra Mauro Campbell Vicente Cruz era acusado de ser o mandante em um processo de tentativa de homicídio qualificado contra o então procurador de Justiça, hoje ministro do STJ, Mauro Campbell. Foto: Raphael Alves/ TJAMA 2ª Vara do Tribunal do Júri de Manaus absolveu o ex-procurador de Justi...
Ex-procurador de volta ao banco dos réus para ser julgado por tentativa de homicídio contra atual mi... Julgamento foi adiado de outubro porque réu compareceu ao tribunal, mas seus advogados não. Sessão está prevista para começar às 9h. Foto: Igor Braga/ TJAMO ex-procurador do Amazonas Vicente Cruz vai voltar ao banco dos réus nesta segunda-feira (6). No início de outubro...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *